Buscar

50 Tons de cinza: por que a temática mexe tanto com a gente

Algumas feministas podem até criticar o livro, alegando que o personagem principal da trama é machista, dominador e deseja controlar a mocinha. Mas não é este o ponto que quero abordar aqui. Em relação a desejo e fantasias sexuais, a trama nos ajuda a repensar tabus... . A maioria das mulheres não foram ensinadas a buscar estímulos eróticos. Não aprendemos a valorizar nossa sexualidade como os homens aprendem, ao longo da vida. Quantas vezes, acreditamos que o prazer não é tão importante para nós. Que "mulher não precisa tanto disso"... A construção da sexualidade feminina reprimida é histórica e resulta de múltiplos fatores socio-culturais. É na nossa cultura que a mulher aprende diversas restrições ao sexo. E fica difícil, mesmo, acreditar nas nossas potencialidades. E aí, uma mulher que tenha muitas experiências sexuais frequentemente é rotulada ou sente que tem alguma coisa de errado com ela. E não é fácil jogar todo esse aprendizado fora. O fato é que não conhecemos nossa sexualidade. E nos ensinaram inúmeros limites ao prazer: "tira a mão daí, "vagina é suja, menina!"... Mas o que esse livro fez foi mostrar que a imaginação pode ser muito prazerosa e que a fantasia pode ser experimentada livremente, sem tabus. Muita gente conseguiu se ver no lugar que aquela mulher estava e se surpreendeu. Porque sim, também gostamos de sentir prazer, de explorar fantasias!!! Talvez se fôssemos expostas a estímulos como este tipo de literatura desde a adolescência tivéssemos, sim, o mesmo interesse e busca pelo erótico que vemos no comportamento masculino. O que será que estamos perdendo?

Dra Nathalie Raibolt Ginecologista, especialista em Patologia Cervical e Vulvar CRM 5288532-0

www.facebook.com/dranathalieraibolt


#50tons #50tonsdecinza #sexualidade #feminino #feminismo #libido #desejo

5 visualizações